Topo
Blog do Guilherme Giorelli

Blog do Guilherme Giorelli

Categorias

Histórico

O que é "falsa magra"? Quando o problema é percentual de gordura e não peso

Guilherme Giorelli

28/07/2018 04h00

Crédito: iStock

Marcela, 35 anos, é advogada e trabalha longas horas por dia, não tem tempo para se alimentar direto. Quando sobra uma horinha, ela corre para academia e faz uma aulão de running ou spinning. Na sala de musculação ela só passa para encher a garrafa de água mesmo. Sua meta é queimar mais calorias! Desde que completou 30 anos, uma barriguinha começou a aparecer e ela não quer perder essa batalha!

Cansada de lutar sozinha, ela procura ajuda profissional. Ao chegar no consultório médico para avaliar o resultado dos exames, um susto: colesterol aumentado com LDL de 135 e pré diabetes uma glicemia de jejum de 110. Seu IMC (peso dividido 2x pela altura) está dentro da normalidade de 22. Mas seu percentual de gordura esta muito alto, em 34,5%.

Dr, estou com obesidade? – pergunta Marcela

A resposta? Marcela não tem obesidade, seu percentual de gordura está alto, mas o problema não está no excesso de gordura, o problema é a massa muscular muito baixa.

Explico: Água, gordura e massa muscular são os principais fatores que influenciam no nosso peso. Logo, se alguém tem um percentual de gordura alto existem duas possibilidades:

• Ou a quantidade de gordura é alta;
• Ou a quantidade de massa muscular esta baixa.

A obesidade é diagnosticada pelo IMC, quando o valor está acima de 30, o que não é o caso da nossa paciente. O dela é de 22 (considerado ideal). Entretanto, um percentual de gordura acima de 32% já é associado a obesidade.

Popularmente, no Brasil, chamamos essa pessoa com percentual de gordura alto e IMC baixo de "falsa magra". O caso citado acima foi ilustrativo, mas estão cada vez mais comuns nos consultórios médicos, pois além de haver a queixa estética, muitas vezes estes pacientes já estão com algumas alterações no metabolismo da glicose e do colesterol.

O problema é mundial, recentemente alguns artigos científicos sugeriram a terminologia overfatness para enquadrar esses pacientes, a tradução de seria algo como excesso de gordura. Nessa classificação overfatness, além dos obesos também estariam os pacientes com gordura excessiva em comparação com sua composição corporal, principalmente na região abdominal.

A circunferência abdominal nos ajuda a estimar a gordura visceral, àquela que se acumula nas camadas profundas do abdômen envolvendo órgão como o coração e o pâncreas.

O percentual de gordura alto é associado com uma inflamação crônica e permanente que provoca uma aumento muito grande no aparecimento de doenças como diabetes tipo 2, infarto do coração, câncer, Alzheimer, hepatite e cirrose. Isto ocorre porque o tecido gorduroso é capaz de produzir proteínas inflamatórias como a IL-6, TNF-Alfa, que podem acometer diversos órgãos.

A discussão sobre obesidade não pode ser mais centrada apenas no peso. Devemos avaliar o excesso de gordura e quais impactos silenciosos já podem estar ocorrendo no paciente como alteração da pressão arterial, triglicerídeos, glicemia de jejum e resistência insulínica.

O tratamento para a Marcela ainda não é obrigatoriamente medicamentoso, mas isso não significa que seja fácil. Ela terá que fazer mais exercícios de força, pois o aumento de massa muscular é fundamental neste tipo de problema –como já explicamos aqui na coluna. Além disso, sua alimentação precisa ser avaliada. Neste tipo de excesso de gordura da "falsa magra", o problema não esta em apenas diminuir calorias, também é preciso aumentar proteínas que ajudem na manutenção da massa muscular.

Marcela precisa de ajuda profissional. Obesidade não é um problema de peso, é um problema de saúde que envolve gordura, músculo e principalmente respeito!

Bons treinos!

Sobre o autor

Guilherme Giorelli é nutrólogo e médico do esporte e exercício. Fellow do International College for Advancement of Nutrology e com mestrado em vitamina D, ele organiza eventos científicos, além de ministrar aulas e palestras. Atualmente é diretor do SMEERJ (Sociedade de Medicina Esportiva e do Exercicio do Rio de Janeiro). Seu dia a dia, porém, é o atendimento de pacientes em sua clínica, que buscam cuidar da saúde por meio da alimentação e do exercício.

Sobre o blog

Este blog é para discutir, sob a ótica da nutrologia e da medicina do esporte, qual o impacto da alimentação sobre o nosso organismo, quais as suas relações com o exercício e como a suplementação pode ajudar. Afinal, todo dia existem novos artigos sendo publicados, novas verdades para serem aprendidas ou questionadas. A ciência nunca está parada, nem você deve ficar.