Blog do Guilherme Giorelli

Categorias

Histórico

Nutritional Yeast ( ou levedura nutricional): entenda esse superalimento

Guilherme Giorelli

19/05/2018 04h00

Crédito: iSTock

Superalimentos (ou “super-foods”, em inglês) são comidas que além de possuir vitaminas e minerais oferecem ações extras e benéficas para a saúde. Uma pesquisa rápida na internet mostra cerca de 1,2 milhões de citações sobre os mais diversos nutrientes. Entretanto, essa terminologia não é reconhecida oficialmente entre os pesquisadores e profissionais de saúde, pois existem poucos artigos cientificas que comprovem o poder desses alimentos.

Em sites de buscas, o “super-food” nutritional yeast (ou levedura nutricional, em português) se destaca. São mais de 1,7 milhões de citações. Algumas delas bem impactantes como:

“Levedura nutricional é uma fonte de proteína baseada em vegetais, tornando-se um marco em muitas cozinhas veganas.”

“O conteúdo de proteína e fibra promove a saciedade nas refeições e as vitaminas B ajudam na produção de energia.”

Parece interessante! Vamos entender:

O que são leveduras?

Leveduras são seres vivos de uma única célula, que pertencem ao reino dos fungos. A mais famosa delas é a Saccharomyces cerevisiae que é utilizada na fabricação de pão e de cerveja. Nos pães ela é utilizada como um fermento biológico que faz a massa crescer, no caso da cerveja ela produz o álcool etílico a partir do açúcar do malte.

O que é o nutritional yeastÉ uma forma inativa de levedura, geralmente produzida a partir da cana de açúcar. Uma vez que a levedura cresce, ela é aquecida e seca –o que a torna permanentemente desativada. Diferente das que são usadas na fabricação de cervejas. Após esse tratamento térmico, ela é lascada e embalada para o consumidor. Atualmente encontrada na forma de flocos ou em pó.

Benefícios para a saúde

Fonte de Proteínas:
A levedura nutricional é considerada uma proteína de alto valor biológico, pois contém todos os nove aminoácidos essênciais
–aqueles que precisamos consumir para o funcionamento do organismo, porque não conseguimos produzir.

Sua composição de aminoácidos é muito semelhante a da caseína (umas das proteínas do leite). Entretanto, apesar de composição completa, apenas 20% do nutritional yeast é proteína, logo a quantidade ofertada é muito pequena. Numa porção de 2 colheres de sopa se tem 4 g de proteínas. (uma medida de caseína tem 20 g)

Fonte de Fibras:
A levedura nutricional também fornece fibras, principalmente os compostos beta-1,3 glucano, trealose, manana e glutationa. Essas fibras têm estudos investigando sua ação no aumento da imunidade, na redução dos níveis de colesterol e na prevenção do câncer. Porém, a quantidade de fibra ofertada em uma porção de nutritional yeast é muito pequena e mais pesquisas são necessárias.

Fonte de vitaminas:
Os produtos comercialmente disponíveis nas lojas com o nome nutritional yeast não são vendidos de forma isolada. A maior parte deles é suplementada com vitaminas do complexo B, como tiamina (vitamina B1 ) , ácido fólico ( B9) , piridoxina ( B6), niacina (B3) e cobalamina (B12). Apenas meia colher de sopa de algumas marcas é capaz de oferecer as necessidades diárias dessas vitaminas.

Qual é o gosto?

Os quatro sabores (doce, azedo, amargo e salgado) não conseguem descrever a sensação ao comer tomate, cogumelo, parmesão e nem o nutritional yeast. Todos eles têm um sabor diferente, que em 1908 foi descoberto no japão pelo pesquisador Kikunae Ikeda, e ficou mundialmente conhecido como o quinto sabor: o umami.

Em uma palavra, tem gosto de queijo, e pode ser um ótimo substituto se você for alérgico ou sensível a laticínios ou estiver procurando por uma opção que, grama por grama, seja mais baixa em calorias e maior em proteína. Porém, não é rico em cálcio.

Por se tratar de um alimento que pode ser usado como tempero e oferece em sua composição aminoácidos, fibras, vitaminas e minerais –que não são de origem animal, sem glúten e sem lactose, o nutritional yeast ganha espaço para enriquecer a alimentação de pessoas que correm o risco de deficiências nutricionais ou que  tenham restrições alimentares, como veganos, vegetarianos e intolerantes à lactose.

Ainda faltam pesquisas que comprovem o efeito benéfico da levedura nutricional sobre a saúde e principalmente para que se possa indicar no tratamento de doenças. As quantidades utilizadas de proteínas e fibras são muito pequenas para que haja um impacto significativo para a saúde.

Até o momento, a melhor recomendação continua sendo ter uma alimentação equilibrada, de acordo com seus gostos e desejos, associada a exercícios regulares. Lembre-se que suplementação deve ser específica para as suas deficiências nutricionais, portanto procure um especialista da sua confiança.

 

Sobre o autor

Guilherme Giorelli é nutrólogo e médico do esporte e exercício. Fellow do International College for Advancement of Nutrology e com mestrado em vitamina D, ele organiza eventos como diretor científico da Associação Brasileira de Nutrologia do Rio de Janeiro (ABRAN-RJ), além de ministrar aulas e palestras. Seu dia a dia, porém, é o atendimento de pacientes que buscam cuidar da saúde por meio da alimentação e do exercício.

Sobre o blog

Este blog é para discutir, sob a ótica da nutrologia e da medicina do esporte, qual o impacto da alimentação sobre o nosso organismo, quais as suas relações com o exercício e como a suplementação pode ajudar. Afinal, todo dia existem novos artigos sendo publicados, novas verdades para serem aprendidas ou questionadas. A ciência nunca está parada, nem você deve ficar.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Blog do Guilherme Giorelli
Topo